navegar pelo menu
08 janeiro 2019

E eu já tenho quase 30

Imagem: daqui - Artista: KwangHo Shin

Eu resolvi escrever este texto agora, aos 29, pra que eu não tenha que escrevê-lo aos 30. Porque aos 30, gente, eu quero tá tudo (inclusive em Nova York), menos em crise.

Diferente de 99% das pessoas que, aos 30, meio que se desesperam com os pés de galinha e a flacidez, eu não tô nem aí pra minhas rugas imperceptíveis e meu bigode chinês (na verdade eu tô, mas o que eu posso fazer?). Meu problema mesmo é que eu já vivi quase 30 anos e é como se eu tivesse vivido 30 dias. Nada, absolutamente nada aconteceu. Tá, aconteceram lá coisas legais e coisas terríveis, mas é o que acontece com todo mundo: a vida. Nada, aqui no meu microuniverso, está relacionado a afazeres, sabe? O que eu fiz da minha vida em 30 anos? Assisti 10 temporadas de Friends. De que isso serve?

Eu passei metade desses 30 anos na escola, me esforçando para ser a melhor aluna da sala, nos primeiros anos, e rezando pra acabar logo aquele inferno, nos últimos. Terminei uma faculdade que me rendeu uma nova visão de mundo, é verdade, mas nem um centavo no bolso. Não tenho uma carreira, sempre pulando de subemprego a subemprego pra poder pagar uma brusinha de vez em quando. Crises de ansiedade, um ataquezinho de pânico e uma receitinha de tarja preta guardada na gaveta me trouxeram aos 29 anos. Dá licença que tá difícil?

E tá, eu já sei que isso não é privilégio meu, que os white girls problems tão aí aos montes, ai, como eu sofro. Mas gente, é complicado, principalmente quando você não nasceu uma Kardashian-empreendedora-realizadora-dos-próprios-sonhos. Principalmente quando você até parecia uma pessoa inteligente, vanguardista, 'essa menina vai dar certo com certeza'. Eu já procurei tanto, mas ainda não encontrei o lugar exato onde me perdi. O trem deve ter tomado outra direção enquanto eu cochilava e acabei aqui, não é possível.

2019 será um ano difícil. Grande parte por causa do que todo mundo já sabe (sim, ELE mesmo), mas pessoalmente falando, será o ano em que eu precisarei me reinventar, porque de jeito nenhum eu quero chegar aos 30 como um disco arranhado. Ou vira o disco, ou joga esse disco fora, colega, pelo amor de deus.

P.S.: Eu até escrevi um textão sobre voltar a blogar (depois de mais de um ano) e como isso me deixa feliz, etc e tal, mas fiquei com preguiça. Não é como se eu tivesse uma legião de leitores esperando ansiosamente a minha volta. Eu tô aqui nem sei até quando. Então só oi, de novo!

4 comentários:

  1. haha oi Mary, bom te ter de volta...também estou numa fase reflexiva da viida.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Olha eu aqui, leitora nova esperando os próximos textos e me identificando super com essas palavras.

    Que 2019 seja o ano do reinventar, porque desse lado aí e do lado de cá, as coisas precisam mudar!

    Beijo enorme ❤

    ResponderExcluir

Postagem mais antiga Página inicial