Divertida Mente e a importância de se sentir triste

by - setembro 02, 2015

Crédito: Google

Não interessa se Divertida Mente já deixou de ser modinha e ninguém fala mais sobre ele. Dane-se. Assisti o filme no cinema e só tive vontade de escrever agora. Lembro que saí da sala do cinema com uma mochila de aprendizados, como não poderia deixar de ser, já que estamos falando da Pixar. Não achei o melhor filme da produtora, ainda sou apaixonada por Toy Story (os três) e está difícil superá-lo. Up - Altas Aventuras chegou bem perto, mas se encontra em segundo lugar na ala do meu coração que separei para as animações da Pixar.

Como todo mundo já deve saber, Divertida Mente conta a história de Riley, uma garotinha muito bacana que enfrenta uns problemas aí quando sua família tem que mudar de cidade. Ora, Riley tem 11 anos, paixões e amizades em sua cidade natal, quem no lugar dela também não estaria super chateado com esse tipo de mudança? Daí vocês sabem que dentro da cabecinha da menina tem sentimentos - Alegria, Tristeza, Raiva, Nojinho e Medo - que controlam sua vida e que acabam metidos em uma grande confusão.

Ok, para quem não assistiu ainda, sugiro uma lida numa sinopse melhor que a minha, ou uma baixadinha no filme mesmo.

O negócio é que a grande confusão do filme se dá por causa de um certo desentendimento entre os sentimentos Alegria e Tristeza. Como não poderia deixar de ser. Vocês já pararam pra pensar que toda a nossa vida é pautada por esses dois sentimentos, e que um é sempre o suprassumo da existência e o outro é sempre o fundo do poço? Tá certo que é melhor ser alegre que ser triste, mas o quanto tem de inverdade na pintura que fazemos da tristeza?

Em Divertida Mente, a gente consegue perceber que a introspecção e o desânimo são essenciais para que Riley consiga recarregar as suas baterias (claro que não é só isso, mas enfim). E isso acontece também na vida real. Quando estamos passando por alguma dificuldade, as pessoas ao redor tendem a nos empurrar a qualquer custo para a felicidade, como se não tivéssemos o direito de viver, pelo menos por um certo tempo, à margem da alegria. São tantos "não chore", "não brigue", "desmancha essa cara", "sorri que fica mais bonita". Mas será que ninguém percebe que ficar triste faz parte? 

Quando algo de ruim acontece em nossas vidas, queremos sofrer mesmo, queremos chorar, é a forma que encontramos de lidar com a dor, de desabafar. Acho a tristeza um sentimento muitíssimo importante. Ela (Ele - sei lá) nos mostra que não somos infalíveis e que tudo bem fraquejar. Quando estou passando por algumas barras, procuro na tristeza um refúgio, um modo de descarregar todo o infortúnio e juntar forças para me reerguer. Não vejo necessidade de pressa pra sair desse estado de "inércia", é justamente em períodos como esses que costumo tomar grandes decisões.

Então, amiguinhos, vamos parar de meter o pau na tristeza e lembrar que (ALERTA DE CLICHÊ) nós nunca daríamos valor à felicidade se não fôssemos um tanto tristes. Nem seríamos felizes se não fôssemos tristes. Posso fazer nada se é verdade.


You May Also Like

11 comentários

  1. a pixar e o eterno nó na garganta que rola depois de sair do cinema. Fiquei toda pensativa também e super concordo.. não tem nada melhor do que assumir a tristeza quando ela vem e chorar litros. Sou super adepta. Depois disso me sinto mais leve e pronta pra encarar a vida outra vez. Ajuda demais. E se por acaso eu descobrir que minha tristeza é de fato azul e fofinha com carinha de dó, vou gostar ainda mais dela <3

    ResponderExcluir
  2. Que lindo o texto que escreveu! Vc tem toda a razão, devemos passar por momentos tristes de forma sincera (sem ignorar aquele sentimento). Ficar pensativo e chorar faz parte da vida. Qnd estou triste, prefiro ficar sozinha, pensar, derramar quantas lagrimas forem preciso, escrever... Enfim, colocar as idéias no lugar... E a Pixar é incrível por fazer filmes assim, que possuem lá no fundo a essência que só os mais atentos irão perceber. Beeijos!

    http://bazardefoto.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato! A gente tem que chorar o que tem pra chorar mesmo. Ficar triste faz parte. =*

      Excluir
  3. Que lindo o texto que escreveu! Vc tem toda a razão, devemos passar por momentos tristes de forma sincera (sem ignorar aquele sentimento). Ficar pensativo e chorar faz parte da vida. Qnd estou triste, prefiro ficar sozinha, pensar, derramar quantas lagrimas forem preciso, escrever... Enfim, colocar as idéias no lugar... E a Pixar é incrível por fazer filmes assim, que possuem lá no fundo a essência que só os mais atentos irão perceber. Beeijos!

    http://bazardefoto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. nossa, me fez lembrar na hora de um vídeo da jout jout que vi essa semana. sobre sentir a tristeza com gosto, chorar até desidratar porque faz parte mesmo. o link é esse aqui: https://www.youtube.com/watch?v=cowHm9VkBdo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vi, Ba, e claro que gostei muito, pq Jout Jout é Jout Jout. Concordo com tudo <3

      Excluir
  5. Oi Mariiii! Eu super concordo contigo. Acho que estar triste faz parte, e que a gente precisa lidar com nossa tristeza da mesma forma que lidamos com nossas alegrias e frustrações. É preciso passar por cada etapa para aprender, e concordando com o seu cliché, aproveitar mais intensamente os momentos felizes, afinal, tudo passa. Eu lembro que saí do cinema com cara de choro. hahahaha Já estou acostumada. Sempre tenho esse gostinho de lágrimas nos filmes da pixar. Chorei até com Monstros S/A, acredita? haha Ótima semana para ti! Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Mari! Te marquei em uma TAG de conhecer novos blogs, se você quiser participar é só olhar as instruções no link, ok?
    http://meudiariominimalista.wordpress.com/2015/09/08/tag-conhecendo-novos-blogs/

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. O filme já deixou de ser modinha e eu ainda não assisti. Risos. Sei lá, não é nem que não tenha tido interesse, porque é claro que tive. Mas num misto de "não tenho tempo" com "os horários das sessões são péssimos", eu acabei deixando pra lá. De qualquer forma, esse texto me lembrou muito duas quotes que levo pra vida. A primeira é "a dor precisa ser sentida", e a segunda é "people cry not because they're weak. It's because they've been strong for too long". Acho que é isso, sabe? As pessoas estão sempre prontas pra tentar nos afastar da tristeza porque ficar triste é algo ruim, porque chorar é péssimo, isso e aquilo, mas não. Nós não somos fracos porque nos permitimos ficar tristes por alguma coisa. Nós não estamos perdendo a vida porque nos permitimos sentir a dor por algum tempo. Acho que, de um modo geral, todo mundo precisa disso, sabe? Limites existem? É lógico. Mas a gente precisa dar espaço pra tristeza também quando temos vontade.

    beijo!

    ResponderExcluir
  8. Mari!!!! Tem tempo que eu não apareço por aqui ( coisa feeia,rsrssrrs), e vim logo nesse título porque me identifiquei suuuper!
    Há um tempo escrevi no meu blog com o mesmo tema, que onda! Hahah Abordagens diferentes pra falar do mesmo assunto e do mesmo filme lindo!
    oh: http://ddcifrando.blogspot.com.br/2015/09/pelo-direito-de-se-entristecer-filme.html
    Um abraço!
    D'cifrando

    ResponderExcluir