29 junho 2015

7 coisas que aprendi com relacionamentos

Créditos:Pixabay 

É engraçado fazer um post sobre esse tema, já que eu não tive muitos relacionamentos na vida. Mas a gente sempre aprende alguma coisa, nem que seja com aquela ficadinha rápida e aparentemente sem importância. Quando duas pessoas - diferentes em suas infinitas nuances - se relacionam, sempre há uma troca de informação. Não tem como passar alheio aos rolos, namoros, noivados e casamentos. Mesmo que o final nem sempre seja feliz, fica a experiência do meio. E é justamente essa experiência que te ajuda a caminhar rumo aos próximos relacionamentos, que pode ser com outras pessoas ou com você mesmo.  

Mas ok, vamos lá:

1) Uma vez é o bastante

Isso é uma coisa difícil de admitir, mas é uma "verdade verdadeira" e você precisa ter essa consciência. Já fiquei com uma pessoa que praticamente não olhou pra mim no outro dia. Nos encontramos nos corredores da escola e foi, tipo, "e aí, como vai?". E passamos reto. Fiquei com aquela sensação de que tinha feito alguma coisa errada, mas depois (bem depois, porque né, cresci) percebi que ele poderia estar somente curtindo o momento e que eu não tinha motivos para cobrar olhos brilhando e coração palpitando de sua parte no dia seguinte. Confesso que passei um tempão julgando e odiando o menino , mas e se fosse o contrário? E se eu quisesse só curtir e ele me cobrasse beijinhos no pescoço no outro dia? Eu não iria gostar. Só pra ficar claro: ele não me prometeu absolutamente nada. Então, vida que segue.

2) Garotos podem ser muito babacas quando estão a fim de você. É.

Uma coisa que eu percebo, desde os meus 8 anos de idade, é que alguns garotos (ou sei lá, só os que eu conheci) se comportam de forma bem idiota quando estão gostando de uma menina. Esse comportamento é justificável, quando se tem 8 anos. Mas quando o cara já passou dos 20, esse negócio fica bem ridículo. Por incrível que pareça já me deparei com alguns "homens" que, por me acharem interessante (e aí interessante você interprete como bem quiser), costumavam discutir comigo, não concordar com as coisas que eu falava ou fazia e nunca perdiam a oportunidade de apontar algum defeito meu e me colocar pra baixo. Eu achava que isso tinha ficado lá no ensino fundamental 1, quando os garotos, não sabendo lidar com aquele sentimento de primeiro amor, acabavam puxando o cabelo da menina bonita. Não, eles estão por aí ainda. Então, quando você achar aquele cara muito chato e pegador de pé, pode ser que ele esteja a fim de você. Corre!

3) Respeito é bom e todo mundo gosta

Essa deveria ser a premissa básica para qualquer relacionamento, seja ele entre amigos, namorados, irmãos, pais e filhos, mas nós sabemos que isso nem sempre acontece. Em se tratando de relacionamentos amorosos, acredito que isso deva ficar bem claro desde o início. Meu namorado, por exemplo, é uma pessoa super reservada. Ele não gosta de muita exposição, vida perfeita no Instagram, reclamações no Twitter e mimimi no Facebook. Apesar de estar em todas essas redes, limita-se apenas a dar uma olhada e postar algo beeeeeem esporadicamente. Eu, diferente dele, gosto de postar foto, gosto de reclamar no twitter, sou blogueira e tudo mais. Só que, assim como ele não se mete na minha exposição, eu também não invado a privacidade dele. Confesso que às vezes dou uma cutucada, mas ele torce o nariz e eu prefiro não insistir. Um relacionamento se torna muito mais agradável quando a gente entende e respeita o lado do outro. 

4) Não vale a pena insistir

Uma vez me envolvi em um triângulo amoroso muito complicado. (Como se triângulos amorosos não fossem sempre complicados...) Eu gostava de um cara, minha melhor amiga gostava desse cara e esse cara se achava o Christian Grey com duas Anastasias. Claro que eu e minha amiga, duas bobinhas adolescentes, não percebemos de imediato que esse cara não queria nada com nenhuma das duas. A única intenção dele era levar aquela situação ao ápice do seu egoísmo. É muito bom se sentir desejado, não é? Por duas então, puts, nem se fala. Só que eu e minha amiga começamos a brigar muito por causa disso, era uma competição para saber quem levava o troféu, que no caso era o palerma lá. Até que um dia eu parei, pensei e chorei. É, pois é, eu chorei. Não porque eu amava o palhaço perdidamente e tinha medo de perdê-lo pra minha amiga. Chorei porque eu tinha uma relação muito maravilhosa com ela e isso estava se perdendo por causa de um babaca que tínhamos acabado de conhecer. Chorei porque não valia a pena insistir em algo que não estava me levando a lugar algum. Não adianta dar murro em ponta de faca. Acabei percebendo que a minha amizade valia muito mais que servir de marionete de idiota. Com o tempo eu percebi que foi uma das melhores decisões que eu já tomei na vida. Dizer "chega" é um alívio. 

5) Relacionamentos à distância dão certo

Não falo isso somente por ser a prova viva, mas por ver esse tipo de relacionamento dar certo para outras pessoas também. Claro que é o tipo de relação que necessita maturidade, empenho, segurança, confiança, coragem. Mas que tipo relacionamento não exige tudo isso? O fato de duas pessoas estarem separadas, não quer dizer que o relacionamento não dará certo. Nem todo mundo conseguiria levar adiante um namoro à distância, é verdade, tem querer muito, mas muito mesmo. Saudade é coisa difícil e muita gente não sabe lidar com ela. Mas se você está realmente disposto, se você realmente ama a outra pessoa, vai por mim, a distância se transforma em um detalhe. Meu namorado sempre me diz que a nossa relação é muito melhor do que a de infinitos casais que vivem juntos por aí. Isso porque um relacionamento à distância tem como base o diálogo. Nós conversamos muito, sobre tudo, não fica nada "no ar" ou mal entendido. Nós nos conhecemos, e eu vejo tanto casais que moram na mesma casa há anos e não sabem absolutamente nada um sobre o outro. 

6) Você nem sempre vai encontrar uma pessoa exatamente do jeito que você quer. Às vezes aparece uma muito melhor

Eu também sou a prova viva disso. Sempre fui uma pessoa muito exigente, idealizava o homem perfeito - como se ele existisse além dos seriados e filmes americanos. Só que fui surpreendida por uma pessoa que de perfeita não tinha nada, mas que me mostrou que existe um universo paralelo à perfeição e lá é muito mais legal. Descobri que todos os itens da minha lista "O que um namorado precisa ter para ser meu namorado", não davam um namorado inteiro, mas um que só existia nas cenas de um filme ou páginas de livros. Quando me deparei com uma relação de verdade, percebi que o amor podia ser muito maior do que eu imaginava. Posso dizer com toda certeza do mundo que o meu namorado não me faz riscar todos os itens daquela lista. Ele me proporciona infinitos outros itens que eu jamais pensaria ser possível. Ele faz todas as minhas exigências parecerem um monte de lixo numa caixinha feita de cocô de cavalo (??). Não estou dizendo que não sonho acordada com os meus personagens preferidos dos filmes, livros e seriados (porque, né, a gente não cresce), estou dizendo que quem diz que me ama todos os dias antes de dormir é uma pessoa muito, muito real.

7) Ninguém completa ninguém

Nenhuma relação é mais importante do que aquela que você tem consigo mesmo. Se você não está bem com você, não tem como se doar para um relacionamento. Ninguém completa ninguém. As pessoas se complementam, elas se somam. Quando a gente acha que uma pessoa está entrando em nossa vida para preencher lacunas, já estamos começando errado. Os nossos amores precisam construir novas lacunas na gente, e vice versa. Se algo está inacabado, precisando de reparos e pela metade em você, não espere que a outra pessoa consiga terminar o serviço. Alguns (muitos) relacionamentos tendem ao fracasso porque as pessoas esperam que as outras segurem todos os forninhos vazios dentro delas. Isso nunca acontece e elas acabam culpando umas as outras, ou pior, culpando o amor. O amor não tem culpa. O amor só faz uma exigência: que você tenha um pouco daquele, como se chama mesmo? Ah, o próprio. 

Sugestão de postagem do grupo Rotaroots. Na verdade a sugestão é "10 coisas...", mas só consegui pensar nessas.

Um comentário:

  1. Ai meu Deus.. é tipo isso mesmo.. ainda tô aprendendo um pouco mais com a vida. E aprendendo principalmente que ninguém completa ninguém. Até escrevi um texto hoje exatamente sobre isso. Vou postar quarta.

    PS.: Toda vez que venho aqui é incrível, porque me apaixono mais e mais pelo teu lay. hahaha Um beijo

    ResponderExcluir

Mariany Gomes © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.