25 maio 2015

Que medo é esse de sofrer?

Créditos: Zoomwalls 

Quando eu pensei em escrever um post sobre esse pânico que a gente tem de sofrer, a Jout Jout ainda não tinha postado esse vídeo maravilhoso aqui. Achei tão legal vê-la falando de um assunto que há muito martela meus tico e teco. Assim como ela, não vejo problema em se arriscar e depois melar a bunda de lama na queda. Assim é a vida, meus caros.

O Twitter é aquele site bacana que foi feito para despejar reclamações em 140 caracteres, e uma das coisas que eu mais vejo por lá é gente falando do tal sofrimento por não poder estar com quem se ama. Até que seria justificável todo o choramingo se a outra pessoa em questão não estivesse na vibe também, curtindo o lance. Mas o negócio é que ela tá, sabe? E a pessoa que está reclamando não quer se envolver por medo de sofrer. Hã? 

Partindo da premissa básica de que quando dois querem, dois acontecem, que medo é esse de um futuro que pode nem chegar? E se esse futuro apocalíptico chegar, "má qual o problema"? E que mania a gente tem de sofrer por antecipação. Ôpa, peraí! A gente tem medo de sofrer lá em 2087, mas não se incomoda de chorar as pitangas agora, neste exato momento, quando a vida está acontecendo. 

O ser humano é meio coisado, né?

Negligencia o presente por medo do futuro. 

E se? E se nada, meu velho. Querer já é a metade do caminho. Se a outra parte quer você agora e você também quer, não vejo motivos para o derramamento de lágrimas de sangue. Tipo assim, meu namorado e eu estamos há mais de dois mil quilômetros de distância um do outro e, apesar disso, estamos há quase 5 anos juntos. Se eu tivesse pensado melhor, elaborado toda uma equação de segundo grau para chegar na raiz de delta (chutei, não lembro de nada de matemática), não teria vivido coisas tão bacanas e felizes nesse relacionamento. 

"É, minha filha (mão na cintura e dedo na cara), mas pode acabar amanhã e todos esses anos terão sido em vão". 

O ser humano é TODO coisado.

Friend, eu acabei de dizer que vivi momentos bacanas e felizes. Você acha mesmo que ser feliz é perda de tempo? 

Se acabar, a gente chora, abraça o travesseiro e dorme. Quando acordar, amarra milhares de balões no coração e parte em busca da próxima aventura. 


7 comentários:

  1. Tava precisando ler alguma coisa assim! Muito bem escrito!!!

    Lizzy,
    Keep This Photograph

    ResponderExcluir
  2. Falou tudo, Mari. Se tem uma coisa que o ser humano é, é coisado. Nunca consegui compreender (e continuo não compreendendo) esse conceito de não se envolver por medo de sofrer. Cacetas, poder ter a pessoa que você quer ali e ainda assim não ter pra mim é tanto sofrimento quanto, e sem as partes boas, como você bem disse. Tive um namoro de cinco anos que um dia acabou, isso não significa que não tenha valido muito a pena e sido ótimo enquanto durou. A vida segue, as coisas mudam e o sofrimento vem de uma forma ou de outra, então o mais lógico a se fazer é seguir o fluxo né?
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. "O ser humano é TODO coisado". Isso define bem. rs
    Eu fui assim por muito tempo, e minha ansiedade ainda me faz sofrer por coisas que nem aconteceram ainda, mas já eu tenho tentado ver as coisas com mais calma. O vídeo da Jout Jout é ótimo nesse sentido e seu post completa muito bem o pensamento.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Mulher, arrasou, é bem por aí mesmo. Foca no presente e let it go. Você NÃO tem como saber o que vai acontecer. Pra quê sofrer antes? Isso, definitivamente, é parte da mania da gente de querer controlar tudo e da não-aceitação da nossa impossibilidade de controlar nosso futuro.

    Enough, people! Vão viver! Vão ser feliz! Se quebrar a cara, conserta depois, faz parte.

    Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  5. Tanto não estamos acostumados a sofrer que vemos nele um modo de viver. E isso está errado, o sofrimento é algo que acontece e que deve fluir naturalmente, sem permanecer pelo tempo mais que o necessário, serve pra aprender, se renovar, se reconstruir, e continuar construindo quem queremos ser.

    Principalmente no ponto de relacionamento amoroso onde temos como ideologia social o fato do amor "sofrido" e "penoso" como o que vale a pena, se de repente aparece um que não nos trás sofrimento e barreiras são enfrentadas mais naturalmente, nos é dito que é um amor simplório, que não é como de novela... e ainnn isso me causa estranheza, parece que as pessoas pensam que sem sofrer, sem passar por muitas penúrias a conquista, seja do que for, não vale a pena. Errado. Problemas acontecem, sofrimentos também, e é essencial até que choremos, mas não mais que o necessário, não mais que o que se deve, se de repente a barreira não foi tão grande, talvez seja o modo como você a encarou, talvez pra outra pessoa ela fosse gigante, mas cada um tem seu tempo de se transformar e mostrar sua força, e é bom que aprendamos a encarar os problemas de uma maneira mais leve e despreocupada, porque assim eles vão ser mais fáceis de enfrentar, sem tanta carga de mais peso que colocamos neles.

    Mais uma vez um bom texto, e a Jout Jout sempre boa em explanar o que ela quer realmente dizer.

    Grande Abraço!

    ResponderExcluir

Mariany Gomes © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.