A linha tênue entre inspiração e plágio

by - abril 05, 2015

Imagem: Google

Ou, "Cadê as flores do seu header, Mari?"

E aí, gente, tudo bom? Então, por aqui as coisas não vão muito bem. Cês sabem, né? Aquela correria de sempre. É prova, pré projeto de TCC, trabalho, episódios arrasantes de Arrow e Flash e tal. Só que essas coisas a gente tem que tirar de letra, afinal, é a vida. O que realmente me deixou mal esses dias foi uma 'acusação' que recebi por e-mail. Fiquei extremamente triste e muito intrigada.

Desde que comecei a blogar, lá pela era de 2006, eu só tinha certeza de uma coisa: tudo o que farei neste espaço terá a minha cara, portanto todo conteúdo será meu, e se, por ventura, utilizar algo de terceiros, tudo estará devidamente sinalizado. E assim foi pra sempre. Nunca utilizei nada de ninguém sem dar os respectivos créditos. Nunca vi necessidade disso. Pelo contrário, admiro muito os que tem a mente fervilhando de ideias e os parabenizo por isso. Bem que eu queria ser uma criativa full time e autossuficiente, o que não é o caso, mesmo sendo uma aspirante à publicitária. Tenho muitas limitações e por isso recorro ao maravilhoso mundo - seja ele virtual ou real - para me inspirar. 

Só que aí eu tô lá de boa na lagoa quando recebo um e-mail muito estranho. Uma blogueira - conhecida de todo mundo que é antenado na blogosfera - me 'acusa' de plágio e diz que se eu não retirar a imagem do header do meu blog em até 5 dias úteis, ela entrará com "os recursos judiciais que garantam seus direitos". Vocês devem imaginar o susto que eu tomei, né? Não, nem venham perguntar que blogueira é essa porque isso é o que menos importa. Aliás, vocês já devem estar pensando em blogueira A, B e C. Não é nenhuma dessas. Façam o seguinte: se concentrem no milagre e esqueçam o "santo". 

Quando eu leio alguma cosia sobre plágio na internet, geralmente é um sujeito X acusando um sujeito Y de ter copiado determinada coisa. O sujeito Y, por sua vez, some do mapa e não se vê nem mais o rastro. Bom, eu não sou esse sujeito Y, portanto não pretendo sumir. Segundo a autora do e-mail, mesmo que as flores utilizadas na composição não fossem iguais, a disposição das mesmas no meu header era igual no blog dela e isso poderia ser considerado plágio. E o que eu fiz? Retirei a imagem na mesma hora. Sei que essa atitude me deixa bem parecida com o sujeito Y, do qual falei agora pouco. Mas não, eu não retirei a imagem do cabeçalho porque a blogueira mandou. Eu retirei porque a minha paz é bem mais valiosa. Ah, e porque eu gosto muito do meu blog para deixá-lo ser consumido pelas suposições de terceiros.

O presente layout do meu blog foi feito por encomenda, mas o, agora antigo, header eu mesma fiz. Lembro que na época estava fascinada por flores e todos os blogs que tinham características florais me chamavam atenção. Gente, eu busquei muita inspiração. Nem tenho como falar pra vocês a quantidade de blogs e sites que visitei - não lembro de ter visto o dela, but whatever -, as horas passadas no Pinterest e Deviantart atrás de algo bacana. Foi um processo demorado, COM CERTEZA não tirei inspiração de um único lugar

Só pra vocês se situarem, a imagem antiga do cabeçalho tinha várias flores - retiradas do Deviantart e devidamente creditadas no sidebar - suspensas na parte superior da página. Qual o critério que usei para colocá-las ali? Ora, eu queria flores no topo. Só isso. O problema é que as imagens estão originalmente na posição normal. O que eu fiz foi trocar a posição no photoshop e invertê-las, para que os caules ficassem escondidos. Pronto, essa foi a ideia que eu supostamente plagiei, segundo a blogueira que me enviou o e-mail. 

Como respondi pra ela, o meu único erro foi ter seguido a moda. Ouvi uma frase muito sábia essa semana: "Quem segue tendências já está ultrapassado". Concordei de imediato. Sei que tem gente que ama flores, cachorros, periquitos, papagaios e querem estampar esse gosto nos seus blogs. Afinal, blogs são como diários, nós despejamos ali o que somos. Mas quando todo mundo resolve amar flores, cachorros, periquitos e papagaios, isso deixa de ser exclusividade de uma pessoa e passa a ser tendência. Ou seja, ficou manjado. Esse foi o meu erro. Achar que o meu gosto por flores - de tanto ver por aí - seria uma coisa legal, já que muita gente gosta também. Não é falta de personalidade, ou mais de uma pessoa não pode gostar de cachorros também? É só que, com certeza, tem alguma coisa nesse mundo que eu goste mais do que de cachorro - e flores -, e é isso o que me torna eu mesma.

Definitivamente eu não plagiei o conceito do blog de ninguém. Mas como dizia um ex professor meu: "eu sou o mar e vocês são os mariscos". Não entendeu? Bom, essa blogueira é o mar e eu, coitada, sou o marisco. O que é um marisco para o mar inteiro? Se eu insistisse com essa briga e não retirasse a imagem do header, com certeza a blogosfera inteira 'saberia' (porque isso seria afirmado) que "eu sou uma plagiadora safada". Os poucos leitores que me restam, me acusariam, apontariam o dedo e, LOGICAMENTE, ficariam do lado dela. Porque ela é o mar. Resolvi evitar a fadiga.

Eu não tenho nada o que esconder de ninguém, meu maior medo é perder o espaço que tanto gosto e que me faz feliz, que é esse blog. Fiz o que fiz para não ter que ser erroneamente tachada pela internet inteira de mau caráter, porque isso definitivamente eu não sou. O que fica em mim é o sentimento de "poxa, que situação chata". E ainda as dúvidas: 

- Inspiração é plágio?
- Se disposição de elementos é considerado plágio, quem copia quem no mundo louco dos cabeçalhos repletos de aquarelas, flores e ilustrações?
- Ah, mas as imagens não são iguais. Mas os conceitos não são os mesmos? Usar ilustração no topo não é um conceito? 
- Então, nada se cria, tudo se copia? 
- A blogueira me falou que acredita que eu não tive a intenção de prejudicar ninguém, mas o que levaria em consideração no momento era a data que os layouts foram colocados no ar. No mundo infinito de inspirações da internet, essa seria uma consideração válida? 

Vejam bem, eu não estou afirmando nada. Essas são dúvidas reais. Se vocês puderem responder, trocar ideias comigo sobre estes questionamentos, ficaria bem agradecida. 

Mesmo tendo o maior carinho do mundo por este espaço, fiquei muito triste com essa história e quase exclui o coitadinho de vez. Mas ele não tem culpa das suposições alheias e é um cantinho que me conforta muito. Resolvi não abandoná-lo. E pra dar uma virada nessa página negra, vou mudar toda a cara dele de novo. Decidi encomendar um novo layout - e haja dilma$ nessa historinha -, dar uma uma nova vida. Mas anota aí: nada de aquarela, ilustração e, principalmente, hãããããããããããã, flores.

Gostaria de deixar claro que a blogueira a qual me refiro neste post foi bastante cordial em seus e-mails, não me insultando em nenhum momento. Colocou o seu ponto de vista de forma respeitosa e eu, da mesma maneira, a respondi. Quero deixar claro também que não tenho nada contra ela, já que nem sequer a conheço. Mas reservo-me o direito de expor as minhas opiniões diante do fato. 


You May Also Like

9 comentários

  1. Muito bom esse post. Fico feliz por ter dado certo no final.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Mari,que chateação tudo isso, hein? :~
    Essa coisa de plágio é bem complicada mesmo. Existem tantos blogs parecidos hoje em dia. Quer dizer, as pessoas acham um topo, um tipo de disposição ou cores bonitas e encontram um jeito de colocar em seus blogs, mas eu também não sei dizer se isso é plágio ou inspiração. Para mim seria inspiração. Como você mesma disse, são taaantos blogs com topos de ilustração (eu quase cometi o mesmo pecado! haha). Mas, como você, preferi deixar o meu o mais simples possível para evitar esse tipo de problema.
    O importante mesmo é que você soube lidar super bem com a situação e não desistiu do seu cantinho <3, que mesmo não sendo o "mar", é um ótimo cantinho *-*
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. olá, que chato e desnecessário.
    eu acho q essa "indústria" que virou blogar está chata e cheia de regras, é claro que não devemos copiar um texto, um pensamento sem dar devidos créditos, mas encucar com as flores ?! eu tenho flores no meu blog, pensei que as flores fossem livres ?! mesmo ela tendo toda a educação do mundo ainda penso ser desnecessário, pois são flores apenas flores, flores que você teve o cuidado de pesquisar , de querer e de colocar.

    e é tão pequeno isso, nossa, mas em fim, que você encontrei algo que te inspire mais que as flores e faça um cabeçalho do seu modo. bjs

    ResponderExcluir
  4. Ai Mari, que chato. Ainda bem que deu tudo certo e achei incrível a forma como você lidou com a situação, mesmo tendo achado a coisa toda bem desnecessário, já que os headers com flores são bastante comuns. Enfim, fico feliz que você não resolveu sumir com o blog <3

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Affeeeeeeeeeee, Mari. Acho que ficaria mal também se fosse acusada de algo parecido. =\ é tão ruim a gente fazer algo por nós (e pagar por isso!!) e as pessoas interpretarem que detalhes parecidos são plágio.. Oi? É quase como acusar que as pessoas que usam a sidebar na direita e post na esquerda estão me plagiando, OI?!? A fonte do teu texto é a mesma que a minha. Oi????

    Nessas horas me dá preguizzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz de blogar. E vontade louca de deixar tudo pra lá.


    Beijo beijo

    ResponderExcluir
  6. Poxa, Mari, que chato! Mas você fez bem em dar prioridade à sua paz de espírito e deixar isso pra lá. Não vale à pena. Siga com seu blog e deixe essa galera que acha que inventou o mundo pra lá.


    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Mary, nunca tinha entrado no seu blog, não acompanhei a confusão, nem sei como era seu layout, mas acho que de qualquer forma foi bacana você resolver em paz e bola pra frente. Acho um saco quem acha que tudo é plágio, mas realmente não sei como as coisas aconteceram e enfim, seu blog vai continuar bacana do seu jeito! Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Você tá certa, Mari. Eu não conseguiria ser tão diva quanto você numa situação dessas. Só diria "fale com meu advogado". Me estresso logo, hahahaha. Preciso aprender a reagir assim como você. Às vezes deixar de lado, pela paz, é o melhor.

    E se tu parar de blogar, eu vou aí no teu estado, na tua cidade, na tua casa, te dar um soco pra acordar pra vida e voltar porque uma coisa dessas não se faz. E sim, só tenho cara de delicada, hahahahaha

    Beijos lindaaaaaaaaaa. E que o blog venha sempre lindo. Já to curiosa pelo novo lay.

    ResponderExcluir